Os músculos na prevenção das doenças

oglobo.globo.com · September 22, 2021

RIO — Os benefícios dos exercícios superam em muito a ultrapassada visão de que proporcionam apenas emagrecimento e condicionamento cardiovascular. Eles ajudam a prevenir e controlar doenças tão variadas quanto câncer, diabetes, demências, fragilidade óssea e inflamação. E por trás desse poder todo estão pelo menos 650 substâncias produzidas pelos músculos esqueléticos, quando exercitados. Elas são tão potentes que podem até mesmo melhorar a resposta do sistema imunológico à vacinação contra a Covid-19.

Algumas dessas substâncias são recém-descobertas e a função de somente 5% delas é conhecida, revela uma revisão de estudos publicada na revista científica Frontiers in Physiology. Chamada “The role of the muscle secretome in health and disease” (O papel do secretoma dos músculos em saúde e doença, em tradução livre), ela mostra o estado da arte sobre o conhecimento da complexa bioquímica dos músculos. O secretoma muscular é o conjunto das substâncias produzidas pelos músculos.

O pouco que já se descobriu maravilha cientistas e abre caminho para um uso ainda mais eficiente da atividade física na prevenção e combate das doenças, além de retardar o envelhecimento. Os músculos ativos ajudam até mesmo a tornar a pele mais saudável.

Mais do que força e sustentação, os músculos são fábricas de bálsamos para a boa vida. Estes são hormônios, fatores de crescimento, substâncias do sistema imune, toda uma gama de proteínas poderosas.

Essa fábrica funciona movida pela contração muscular feita toda vez que os músculos são exercitados. Ela produz substâncias chamadas coletivamente de miocinas. Elas fazem a comunicação dos músculos com outros órgãos, como sistema imunológico, cérebro, fígado, pâncreas, ossos, intestinos, pele, tecido adiposo (gordura) e vasos sanguíneos. Também são fundamentais para a hipertrofia, regeneração e funcionamento dos próprios músculos.

Não à toa, cientistas recomendam exercícios para pessoas com câncer, diabetes e doenças neurodegenerativas.

Combinados, os cerca de 700 músculos esqueléticos (o número varia entre 650 e 840, não há consenso na literatura científica) são o maior órgão endócrino do corpo, afirma o especialista em medicina do esporte Claudio Gil Araújo, diretor da Clínica de Medicina do Exercício (Clinimex).

Os músculos são o órgão mais pesado do corpo, correspondem a cerca de 40% do peso. Mas suas funções bioquímicas são ainda mais significativas. Eles produzem miocinas exclusivas, mas também fazem e liberam substâncias produzidas por outros órgãos.

Um exemplo dos efeitos benéficos dos músculos exercitados vem de uma recém-publicada pesquisa de cientistas brasileiros, ainda em preprint. Realizada por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e de outras instituições, ela mostrou que a atividade física melhora a resposta à vacinação contra a Covid-19, mesmo em pessoas com comprometimento do sistema imunológico.

Os cientistas analisaram a diferença da resposta à CoronaVac em pessoas com doenças reumáticas autoimunes. As que eram fisicamente ativas produziram mais anticorpos do que as sedentárias, explica um dos autores do estudo, Hamilton Roschel, coordenador do Grupo de Pesquisa em Fisiologia Aplicada e Nutrição da Escola de Educação Física e da Faculdade de Medicina da USP.

— Tudo funciona melhor em que faz atividade física regular, o sistema imunológico, o cardiovascular, o metabolismo, o cérebro. Absolutamente tudo — frisa Roschel.

Nossa grande orquestra

Quando nos exercitamos, uma orquestra começa a tocar. O maestro é a contração muscular e os músicos, as miocinas. Elas tocam em resposta de umas às outras. Compõem uma melodia. Quanto mais atividade física e, portanto, contração muscular, mais os músicos tocam, liberando outras substâncias, notas musicais que dão o ritmo do organismo. Já o sedentarismo é silêncio e desarmonia, isto é, doença.

Algumas miocinas, por exemplo, captam a glicose no sangue e reduzem a glicemia. São um tratamento natural para o diabetes. Outras respondem à vasodilatação, remodelam a matriz do endotélio (o revestimento do interior dos vasos sanguíneos) e, com isso, reduzem a hipertensão.

O exercício atua sobre a morfologia cerebral. A ação é tão profunda que eles atuam sobre os microRNAs e, com isso, ajudam a regular a síntese de proteínas. E a prática regular de exercícios reduz a inflamação, um dos grandes males da vida moderna, afirma o estudioso da fisiologia dos músculos José Cesar Rosa Neto, do Laboratório de imunometabolismo do Departamento de Biologia Celular e do Desenvolvimento do Instituto de Ciências Biomédicas da USP.

Estimulados por exercícios, os músculos liberam substâncias com ação anti-inflamatória. São as interleucinas 4, 6, 10 e 13. Só há relativamente pouco tempo, a ciência descobriu que os músculos e não apenas as células do sistema imunológico produzem essas substâncias.

A interleucina 6 (IL-6) ganhou destaque na pandemia, por sua associação com o agravamento da Covid-19. Em pacientes graves de Covid-19, ela se mostra elevada e gatilho para temida tempestade de citocinas (ela própria é uma delas), um desequilíbrio inflamatório cujo desfecho pode ser a morte.

Muita IL-6 quase sempre é sinal de problemas para Covid19 e outras doenças inflamatórias. Mas não quando o exercício entra em campo. Rosa Neto diz que durante o exercício o nível de IL-6 chega a aumentar 100 vezes. Mas decai tão depressa quanto aumenta. E, nesse meio tempo, combate inflamações. É como se a IL-6 sofresse de bipolaridade. Se persistentemente elevada, caso da Covid-19 e outras doenças, ela gera inflamação grave. Já doses altas e breves têm efeito oposto e benéfico, um eficiente antiinflamatório.PUBLICIDADE

A relação com a IL-6 exemplifica toda a sutileza e complexidade envolvidas na relação entre músculos e o restante do organismo. Uma relação vasta e sobre a qual se sabe pouco. Estima-se que o número de miocinas seja muito maior do que 650, com milhões de possíveis interações. É uma orquestra que toca e se renova toda vez que uma pessoa se exercita e contrai os músculos.

Nessa orquestra, intensidade e tempo do exercício dão o tom, diz Rosa Neto. Às vezes, é preciso mais tempo, provável caso da maioria das miocinas de ação antiinflamatória.

Aliadas contra o câncer

Mas em outros é a intensidade que dá a nota certa. Um exemplo é a interleucina 15, que tem ação antitumoral. Os músculos a secretam quando submetidos a exercícios intensos. A IL-15 ativa a produção dos linfócitos T Killers, assassinos em português. Essas células do sistema imunológico patrulham o organismo em busca de células infectadas ou defeituosas (caso das cancerígenas) e as matam.

— A IL-15 deixa os linfócitos killers mais atentos e eficientes. Uma coisa é certa. A atividade física regular realmente melhora a imunidade — explica Rosa Neto.

Para algumas substâncias, é preciso mais do que tempo e intensidade. É o caso do BDNF, fundamental para a sobrevivência e o bom funcionamento dos neurônios. Para que ele seja liberado, é preciso que os músculos das pernas sejam exercitados. Os dos braços não têm importância nesse caso específico, observa Rosa Neto.PUBLICIDADE

— Em seu conjunto, os músculos são nosso maior órgão endócrino e são muito fáceis de estimular, basta contrair. Mas um dos grandes desafios é descobrir qual o padrão de liberação das miocinas — salienta Rosa Neto.

Sem movimento, sem saúde

Se fazer atividade física faz bem, a ausência de movimento faz mal. Mexer-se, em qualquer nível, é fundamental. A atividade física é imprescindível para manter o organismo funcionando em equilíbrio.

— O corpo é como um carro novo. Você pode ter um modelo incrível, mas ele vai estragar se ficar parado na garagem — diz Roschel.

Segundo ele, não é preciso fazer o exercício de influenciadores digitais ou obrigatoriamente ir para a academia. O importante é se mexer. Tampouco é necessário horário específico, essencial é aumentar o tempo dedicado à atividade física dentro da rotina diária, diz Roschel, que tem um projeto que investiga qual a forma mais eficiente de fazer isso.

Assim caminha a Humanidade

Os exercícios tentam compensar a falta de atividade física regular no padrão para o qual corpo humano evoluiu. O corpo não foi feito para ficar parado. Ele adoece e morre. O modelo de fábrica da natureza, diz Claudio Gil Araújo, é andar rapidamente. Foi assim que a Humanidade caminhou pela maior parte de sua jornada iniciada há mais de 300 mil anos.PUBLICIDADE

Mas correr, nadar, pedalar, fazer musculação, dançar e uma série de outras atividades funcionam como paliativos em nossa época, em que passamos a maior parte de nosso tempo sentados ou deitados.

— Não serão míseras décadas de modo de vida moderno e sedentário que transformarão o organismo humano. Não à toa o sedentarismo é considerado doença — diz Araújo.

Ilusões e pílulas mágicas

Tanto Araújo quanto Rosa Neto consideram improvável que seja possível desenvolver uma pílula do exercício.

— Os músculos são acionados de muitas formas, em momentos distintos e com interações variáveis, com diferentes intervalos e dosagens. É impossível concentrar tudo isso numa droga — afirma Rosa Neto.

Consenso entre os cientistas é que por si só os exercícios são medicamento naturais e poderosos contra velhas e novas doenças.

O Globo, um jornal nacional:
Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasiloglobo.globo.com